Amizade · Amor · pensamentos

Carta de despedida

Eu sinto tanto a sua falta meu amor. Lembro-me do dia em que você chegou à nossa família, tão pequenina, cabia no meu braço. Tinha mais orelha do que corpo, olhos azuis e adorava dormir. O rapaz com quem o vovô pegou você, nos disse que não era pra você pegar vento (coitado, mal sabia ele a bobagem que estava dizendo).

No primeiro dia, a mamãe preparou a sua casinha, colocou uma toalha rosa porque tinha que combinar com a sua delicadeza e bondade. Você quem escolheu a gente, você sabe disso não é? Naquele dia em que fui com o vovô e a vovó escolher alguém para ser minha companhia, eu tinha pegado o seu irmãozinho e ia se chamar Simba. Mas aí você veio com aquele olhar de “pidona”, deitou no meu pé e ficou esperando para que eu te pegasse. Sim, foi amor à primeira vista.

Voltando ao seu primeiro dia numa casa diferente, sem seus irmãozinhos, me lembro que a noite você chorava só na minha janela. Engraçado, você já sabia quem eu era! Durante três noites seguidas eu acordei de madrugada, dei comida e fiz carinho em você até você dormir no seu cantinho.

Todos os dias eu ligava pra sua tia Nayara e falava “ela está aqui no meu colo, parece um neném”. E você sempre ficava comigo até irmos dormir. E então mudamos de casa, você ganhou um cantinho novo e logo se divertiu com o jardim e o lixo que estavam perto de você. Quanta bagunça! A gente até brigava com você, mas aquele seu olhar era fatal, não tinha como levantar a voz.

O tempo foi passando, a mamãe passou a trabalhar o dia todo e ter aula a noite, nos víamos pouco, mas o pouco que nos víamos já ganhava o nosso dia não é mesmo? Você sempre me esperava na porta da cozinha seja qual fosse o horário. Enquanto eu não te avisava que estava em casa, você não ia dormir.

E às vezes a saudade era tanta que você não deixava eu fechar a porta. Agarrava minhas pernas e me pedia pra ficar um pouquinho mais. E eu ficava. Foi assim durante 14 anos com você, os melhores da minha vida até aqui. Você, mesmo sem falar a minha língua, me ouvia, fazia sinal de que entendia e às vezes até dava um sorriso ou uma piscadela de como quem diz “eu entendi mamãe, vai ficar tudo bem! Eu te amo”.

Eu sentia isso. E sinto até hoje a sua presença. Nos sonhos, na saudade, nas fotos, na sua bolinha, no seu brinquedo que o vovô fez questão de deixar no jardim, nas suas roupinhas que estão aqui ainda. Eu te sinto em tudo. Como pode isso?

Eu nunca escrevi um texto aqui pra você e poxa que falha grande a minha! Espero que não seja muito tarde pra isso. Mas como podemos esquecer de homenagear um ser que nos amou tanto, foi fiel em todos os momentos, companheiro e que nunca te julgou por ser quem é? Não faz sentido.

Esse aqui é pra você meu amor, esteja onde estiver! Eu te amo com todas as minhas forças. Obrigada por tudo, mas principalmente por me fazer tão feliz e completa todos esses anos.

Nos encontraremos em outras vidas, tenho certeza disso!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s